Línguas

Língua: Aikaná (Masaká e Kasupá) Família Linguística: Aikaná Tronco linguístico: Fora de Tronco Dialeto:

Observação:

Ações Ampliar
Língua: Akwén Família Linguística: Tronco linguístico: Macro-Jê Dialeto: Xakriabá, Xavánte, Xerente,

Observação: Língua do Tronco Macro-jê e da família Jê

Ações Ampliar
Língua: Rikbaktsa Família Linguística: Rikbaktsa Tronco linguístico: Macro-Jê Dialeto:

Observação: Seu idioma é considerado por pesquisadores do Instituto Lingüístico de Verão como uma língua não classificada em família, incluída no tronco lingüístico Macro-Jê. Fonte: https://pib.socioambiental.org Um dos aspectos interessantes da língua Rikbaktsa é o fato, comum a várias outras línguas indígenas, de haver uma diferença entre a fala masculina e a feminina, de modo que a terminação de muitas palavras indica o sexo do falante. O conhecimento e a maestria no uso da linguagem é reconhecidamente mais desenvolvido nos velhos, cujas conversas costumam ser acompanhadas com interesse pelos que querem refinar seu conhecimento da língua. Atualmente os Rikbaktsa são bilíngües, tendo aprendido e incorporado o português. As novas gerações falam mais regularmente e melhor o português, aprendendo e utilizando a língua Rikbaktsa à medida em que crescem e ocupam um espaço no mundo adulto. Os mais velhos, por outro lado, utilizam o português com mais dificuldade e apenas no contato com os "brancos".

Ações Ampliar
Língua: Suruí (Paitér) Família Linguística: Mondé Tronco linguístico: Tupi Dialeto:

Observação: Os Suruí de Rondônia se autodenominam Paiter, que significa "gente de verdade, nós mesmos". Falam uma língua do grupo Tupi e da família linguística Mondé.

Ações Ampliar
Língua: Yawalapití Família Linguística: Arúak (Arawak, Maipure) Tronco linguístico: Fora de Tronco Dialeto:

Observação: A língua yawalapiti pertence à família Aruak, assim como as línguas mehinako e wauja, também faladas no Parque. Atualmente, apenas quatro ou cinco indivíduos falam yawalapiti, predominando na aldeia as línguas kuikuro (da família Karib) e kamaiurá (da família Tupi-Guarani), em razão dos muitos casamentos que ligam os Yawalapiti a esses grupos. Mas eles vêm demonstrando um interesse crescente em recuperar sua língua e para isso têm contado com a assessoria de uma lingüista. Desejam ainda construir uma escola indígena e, em 2002, enviaram representantes para participar do curso de Formação de Professores Indígenas promovido pelo ISA no Parque. Fonte: https://pib.socioambiental.org

Ações Ampliar